Divagação: o que eu faria com X€ “a mais”?

Só pela piada da coisa (sonhar é bom, não é?):

  • se tivesse 1000€ “a mais”: pagava mais 1000€ do cartão de crédito com os juros mais elevados;
  • se tivesse 5000€ “a mais”: pagava a totalidade das dívidas de cartões de crédito (actualmente pouco mais que 3000€), e provavelmente usava o restante para ficar como fundo de emergência. Ou isso, ou comprava o PC novo (uma coisa a sério, para jogos — não, não acabei de me contradizer –, à volta de 2000€) cuja compra ando a adiar há anos…
  • se tivesse 10000€ “a mais”: igual à anterior, mas comprava de certeza o PC, criava o fundo de emergência, e ainda teria uns 3000€ para, possivelmente, investir num index fund;
  • se tivesse 50000€ “a mais”: pagava os cartões e os créditos pessoais (incluindo o consolidado), comprava o tal PC, e os 14000€ restantes iriam para um index fund, provavelmente. Este valor, já agora, já me possibilitaria (sem ter prestações de créditos para pagar) viver sem trabalhar mais de um ano — ou seja, teria, pela primeira vez, o chamado dinheiro “Vai-te F…”, caso alguma vez fosse necessário;
  • se tivesse 100000€ “a mais”: de certa forma, mudava pouco em relação ao anterior, apenas teria, por ter mais investido, também mais dividendos e afins todos os meses, pelo que o dinheiro cresceria mais depressa 1. Talvez começasse a pensar em propôr no trabalho vir só 4 dias por semana (reduzindo o ordenado em 20%, naturalmente), ou (se necessário) a procurar outro trabalho em que isso ficasse assente logo na entrevista de emprego;
  • se tivesse 500000€ “a mais”: provavelmente “reformava-me” já. Não quer dizer que nunca mais fizesse qualquer tipo de trabalho remunerado, e obviamente que continuaria a tentar fazer crescer os rendimentos passivos, mas diria “adeus” a trabalhos tipo 9 às 18h, com chefias, horários, etc;
  • acima disso: igual ao ponto anterior, mas sem o “provavelmente”. 🙂

Notas: como o título do post diz, isto é uma divagação minha, não é nenhum guia para outros, nem é garantido que, se realmente me chegassem às mãos estas quantias, fizesse exactamente o que escrevi acima — se bem que seria, quase de certeza, algo bastante semelhante. E só se aplica, obviamente, à minha situação actual — por exemplo, daqui a uns meses já não terei dívidas de cartões de crédito para pagar. Por último, o “a mais” é mesmo isso: por exemplo, dinheiro que entrasse por fazer algum “biscate”, ou algum bónus no trabalho (se o meu trabalho tivesse tal coisa) — a origem não é aqui importante.

  1. note to self: escrever eventualmente sobre o conceito de juros compostos. E index funds, já agora. 

Deixar uma resposta