Acumulação vs. Investimento: mês #4

Meses de acumulação e investimento: 4

Acumulação: 100%

Investimento: 99.35%, dos quais 0.26% são resultado de dividendos, e que já excluem 0,05% (do valor total dos investimentos) retirados por tarifas do ETFmatic.

Gráfico:

Acumulação vs. Investimento - Mês 4

E aqui temos o primeiro mês, desde o início desta experiência, em que o valor dos investimentos está abaixo do valor das poupanças (relembro que, todos os meses desde o início, tenho posto em ambas as “caixas” determinado valor– variável mês após mês, mas obviamente sempre igual entre as duas).

O que disse em Investimento *abaixo* de 100%! Estou preocupado? mantém-se: isto é normal, é passageiro (a tendência a longo prazo é sempre subir), é explicável pelas razões que já sabemos, e até permite (quando se tem capital para isso1) comprar acções extra “em saldos” nestas alturas.

Por outro lado, claro que tem piada — mas isso não deve influenciar as nossas decisões, obviamente — olhar para as subidas e descidas mensais, como se fosse a pontuação num jogo. 🙂 A ver se para o mês que vem isto sobe acima dos 100% outra vez…

(Desculpem mais uma vez a relativa falta de posts; a razão é a mesma dos últimos tempos (trabalho e mais trabalho); a ver se isto se resolve.)

Investimento *abaixo* de 100%! Estou preocupado?

Claro que não. 🙂

Expandindo a coisa: ontem vi, desde que comecei a série Acumulação vs. Investimento, actualmente no seu 3º mês, o valor dos investimentos (em comparação com a acumulação, que serve de ponto de referência, a 100%) descer abaixo dos 100% (há uns 10 dias estava em cerca de 104%). Ou seja, por momentos tive menos dinheiro nos investimentos (mesmo contando com dividendos, mas retirando as tarifas do ETFmatic) do que tenho na conta (sem juros, intencionalmente) onde tenho a acumulação. (Digo “tive”, passado, porque entretanto já subiu um pouco, estando neste momento nos 100.57%.)

É este tipo de coisas que tende a assustar quem está a considerar investir na bolsa: a ideia de que o valor das acções compradas “está a baixar“, que “tinha sido melhor guardar o dinheiro“, que isto da bolsa “é como um jogo de azar“, e assim por diante. E, sim, admito que, para quem não se interesse e tenha lido um bocado sobre estas coisas há já algum tempo, isto pode ter um impacto psicológico não desprezável. Eu próprio, quando vi no widget do telemóvel certo valor a vermelho, em vez do habitual verde, tive como primeira reacção o medo — acho que ainda não tenho o “calo” necessário para não o ter.

Felizmente, tenho pelo menos o “calo” necessário para não fazer disparates 🙂 (tipo “pânico!! vou já vender tudo antes que desça mais!!“), e esse medo dura apenas uns segundos: de seguida vem o raciocínio. Tanto o raciocínio mais geral (é natural a bolsa descer e subir ao longo de curtos períodos de tempo, mas a longo prazo a tendência é sempre subir), como o mais específico relativamente a este caso particular (“porque é que a bolsa caiu? Ah, pois, foi o palhaço do Trump que ameaçou a China com mais tarifas outra vez — e desta vez o impacto na bolsa até foi muito menor do que da última vez, no ano passado. As pessoas começam a aprender…1).

Anyway, o importante aqui é: manter o rumo. Investir não deve ser uma questão de se reagir aos mercados 2, mas sim uma questão de se ter uma filosofia de investimento (no meu caso, investir o que puder, todos os meses, num pequeno conjunto de ETFs de index funds 3), segundo a qual, neste caso, os “soluços” da bolsa são não só normais, como algo a ignorar, em geral.

Acumulação vs. Investimento: mês #3

Meses de acumulação e investimento: 3

Acumulação: 100%

Investimento: 104.28%, dos quais 0.29% são resultado de dividendos, e que já excluem 0,03% (do valor total dos investimentos) retirados por tarifas do ETFmatic.

Ainda é muito cedo e o que se segue não tem grande piada, mas…

Acumulação vs. Investimento - mês #3

Ainda tenho de pensar numa forma de tornar este gráfico mais interessante… talvez uma forma de mostrar (de uma forma proporcional mas arbitrária, sem revelar valores reais) os valores acumulados/investidos, de alguma forma, já que este gráfico será sempre mais “plano”, pelo menos durante um bom tempo. Por outras palavras: o gráfico dá vagamente a ideia de que a acumulação é um valor estático (já que a linha é plana) e o investimento quase que também o é, mas na realidade todos os meses há um valor (variável mês após mês, mas sempre idêntico entre a acumulação e o investimento) adicionado a ambas as “caixas”. A ver se daqui a um mês a próxima versão é mais clara neste aspecto (ou talvez sejam necessários 2 gráficos, lado a lado).

Entretanto, amanhã vou de férias (yay!), voltando ao trabalho dia 7 de Maio, pelo que não vai haver grande número de posts até lá. Até um dia destes! 🙂

Acumulação vs. Investimento: mês #2

Meses de acumulação e investimento: 2

Acumulação: 100%

Investimento: 102.44%, dos quais 0.06% são resultado de dividendos, e que já excluem 0,01% (do valor total dos investimentos) retirados por tarifas do ETFmatic. 1

Nada de excitante, mas de certa forma também não é suposto sê-lo… além de que 2 meses não são nada, obviamente.

Ainda é cedo para começar a fazer gráficos, já que só teria 2 posições horizontais. 🙂 Mais uns meses…

Dúvidas? Questões? Estejam à vontade.

Acumulação vs. Investimento: mês #1

Este formato ainda pode mudar, mas para já…

Meses de acumulação e investimento: 1

Acumulação: 100%

Investimento: 102.33%, dos quais 0% 1 são resultado de dividendos.

Nada de especial, para já. Como já disse várias vezes, o tempo “interessante” mede-se em décadas, não em meses; a ideia desta série é mais mostrar como isto “não morde”.

De certa forma, quase que até gostava que houvesse uma correcção (que para todos os efeitos é uma versão “soft” de um crash de bolsa), para se ver durante uns tempos o valor dos investimentos abaixo do valor acumulado… só para posteriormente se constatar como estas coisas acabam sempre por recuperar e até ultrapassar o valor de topo do passado. Além de que nessas alturas, para todos os efeitos, está-se a comprar acções “em saldo”. 🙂

Acumulação vs. Investimento: uma experiência

Para ver se animo um bocado o blog 🙂 , decidi há dias iniciar uma experiência, cujos resultados vou partilhar aqui nos próximos tempos. A ideia é desmistificar um pouco o conceito de investimento, já que, pelo que vi em comentários passados, é comum em Portugal ter-se alguma desconfiança em relação a investir na bolsa, preferindo-se contas-poupança, certificados de aforro e afins, cujos juros actualmente são bastante mais baixos do que já foram 1.

Investir, por outro lado, tem um risco maior, já que as acções em questão podem descer abaixo do valor inicial, e de tempos a tempos há os chamados “crashes”, o último dos quais foi em 2008. Muita gente que perde dinheiro nos “crashes” fá-lo devido à natureza humana, que frequentemente faz com que a pessoa tome a acção contrária ao que seria racional fazer — por exemplo, se as acções caíram imenso, a tendência é vender (por uma fracção do preço inicial) antes que caiam ainda mais… mas isso significa que se perdeu efectivamente a maior parte do dinheiro investido. A longo prazo, a tendência dos mercados é sempre subirem; pode é ser necessário aguentar um ou dois anos de “angústia” quando há um “crash”.

(Claro que há o perigo de uma empresa na qual se investiu falir totalmente e perder-se todo o investimento, mas a solução para isso é investir não em empresas/acções individuais, mas sim nos chamados “index funds“, como por exemplo um que siga o S&P 500. Seguindo as maiores 500 empresas dos EUA (que são para todos os efeitos multinacionais, não estão limitadas aos States), se uma delas falir, ou mesmo descer abaixo do top 500, ela é retirada do fundo e substituída por outra, automaticamente. A única forma de se perder tudo num fundo destes, portanto, seria um completo acabar do conceito de “bolsa”, o que só aconteceria numa catástrofe global (ex. III Guerra Mundial). Sem ser isso, por muito que caia, acabará sempre por voltar a subir — é só questão de se ter paciência e não se entrar em pânico.)

A minha ideia, portanto, é a seguinte: pelo menos uma vez por mês (mas podem ser mais vezes), vou “acumular” (transferindo para uma conta secundária, sem juros “palpáveis”) determinada quantia (nunca inferior a 100€), e, ao mesmo tempo, vou investir a mesma quantia. Escolhi o ETFmatic para isto, com um portfolio customizado por mim (que provavelmente é inferior a simplesmente pôr tudo no S&P 500, mas também estou a usar isto para comparar vários tipos de investimento — ou seja, sem dúvida que dá para fazer melhor que isto, seja no ETFmatic seja investindo directamente, por exemplo num broker tipo DeGiro. Depois desta experiência, provavelmente mudarei o portfolio para algo mais eficiente). A escolha do ETFmatic deve-se também à questão de poder simplesmente transferir dinheiro para lá e eles tratarem do resto, incluindo o reinvestimento de dividendos.

Por outro lado, por uma questão de privacidade, não quero aqui divulgar valores. Desta forma, a minha ideia é a seguinte:

  • o valor acumulado será sempre apresentado como 100%;
  • o valor resultado dos investimentos será uma percentagem em proporção ao valor acumulado.

Por exemplo, se tivesse 100€ acumulados e o valor resultante dos investimentos fosse 105€, apresenta-lo-ia como 105%.

A minha ideia é postar sobre estes valores no último dia de cada mês — portanto, a primeira vez será daqui a 20 dias 2. A primeira acumulação e investimento foram feitos no passado dia 30 de Janeiro, mas ainda espero fazer mais uns (sempre valores iguais um ao outro, repito) antes do fim de Fevereiro, quando receber.

Vou tentar fazer isto (sem levantar nada da acumulação ou dos investimentos) pelo menos durante um ano. Isto assumindo que não há emergências…

E os inevitáveis disclaimers:

  • nada disto constitui aconselhamento financeiro / de investimentos, obviamente; estarei só a partilhar os resultados de uma experiência minha;
  • como disse acima, o meu portfolio no ETFmatic está longe de ser o ideal; estou também a comparar, para satisfação de curiosidade pessoal, os vários tipos de ETFs lá (em geral divididos por regiões do mundo), em vez de pôr tudo no que quase sempre é o mais eficiente (S&P 500) ). Sim, estou possivelmente a perder dinheiro pela ciência! 🙂
  • sim, eu sei que um ano não é nada em termos de investimentos; estes devem ser vistos em termos de décadas. As acções tanto podem continuar a subir como tem acontecido desde 2010 ou isso, como pode haver outro “crash” antes do fim do ano. A minha ideia não é dizer “investir é sempre melhor“, é apenas “estão a ver, a bolsa não morde (nem é preciso ser rico para investir)“; 🙂
  • o valor apresentado dos investimentos incluirá o valor actual dos ETFs, somado ao valor já no ETFmatic mas ainda por investir (por exemplo, por o valor restante depois de compra de vários ETFs não chegar para comprar mais uma unidade, ou por ter recentemente recebido dividendos e estes ainda não terem sido reinvestidos), sendo-lhe retiradas quaisquer tarifas cobradas pelo próprio ETFmatic (que são bastante baixas);
  • como também disse acima, a frequência das acumulações/investimentos pode variar, mas 1) serão sempre valores idênticos para cada um; 2) serão no mínimo uma vez por mês, e 3) o valor mensal para cada um nunca será inferior a 100€, a não ser que haja alguma emergência na minha vida.

Por último, e só pela piada da coisa (já que ainda só se passaram 9 dias, por isso isto não quer mesmo dizer nada), partilho o estado actual da experiência:

  • Acumulação: 100%
  • Investimentos: 101.1%