Evolução mensal das dívidas #18 (30 de Setembro de 2019)

(valores ligeiramente arredondados, como sempre.)

  • Cartões de crédito: 0€ (igual ao mês anterior)
  • Créditos: 25990€ (menos 1160€ que no mês anterior)

Total em dívida: 25990.

Evolução desde o fim de Agosto: menos 1160€.

Um crédito a menos (quase — já lá vamos)! Agora só resta um, portanto a partir de agora só tenho uma única dívida. É um princípio. 🙂

(O “quase” deve-se ao facto de que quando liguei para a entidade de crédito para fazer o pagamento do restante, o pagamento de Setembro já estava a ser processado, por isso o valor que me disseram para pagar não incluía esse pagamento. O mapa é do último dia do mês — neste caso, 30 de Setembro — e o débito é feito no dia 1 de cada mês — 1 de Outubro, aqui –, pelo que no mapa ainda aparecem 70€ em dívida, que supostamente desapareceram logo no dia seguinte — mas isso só aparecerá no próximo mapa, disponível daqui a cerca de um mês. De qualquer forma, esses 70€ já são demasiado pequenos para aparecer no gráfico, apesar de ainda estarem na célula da folha de cálculo.)

Usei uma boa parte dos investimentos que tinha para poder pagar todo o crédito restante sem sacrificar outras coisas, pelo que a série “Acumulação vs. Investimento” está para já parada. A ver se um dia volta, quando já não houver dívidas, e — espera-se — num formato mais interessante.

De resto, tenho continuado a poupar/acumular dinheiro para eventualmente amortizar o crédito “grande”, e essa poupança já vai em cerca de 600€. Devo aguardar até ter uns 2500-3000€ para a primeira amortização, o que ainda demorará alguns meses… com sorte, não muitos.

Gráfico:

Evolução das dívidas - Setembro de 2019

Coisas e tal, edição Outubro de 2019

Caso cá venham com alguma regularidade, e/ou sigam o blog num agregador de blogs, devem ter reparado na falta de posts…

As razões foram várias, incluindo pouco tempo livre tanto no trabalho (por haver mais do mesmo) e fora dele, várias questões/problemas pessoais (nada do outro mundo, mas tudo acaba sempre por pesar um pouco), várias avarias (que obrigam sempre a gastar dinheiro, o que faz com que não apeteça muito “pensar” no mesmo), e por último uma dose razoável de síndroma do impostor — tipo “quem é que eu penso que sou para estar para aqui a escrever sobre finanças pessoais, quando as minhas deixam tanto a desejar?

(A resposta para isso, já agora, passa por me lembrar de que não estou a escrever aqui como se fosse um “guru financeiro”, apenas como alguém a aprender e experimentar, e documentar e partilhar essa aprendizagem e experiências — além de que também aprendo com o que comentam e sugerem aqui.)

(Ainda outra possível resposta é que, se por um lado podia ter feito bem melhor, sendo mais “extremo” na frugalidade e corte de despesas em geral, além da criação de novas fontes de rendimento, por outro lado mesmo assim já fiz muito e melhorei muita coisa desde que iniciei o blog — não só acabei com vários desperdícios, como reduzi as dívidas em quase 9000€ — podia ser melhor, mas também podia ter sido pior. Frequentemente, sou o meu pior crítico…)

Enfim…

Em termos de novidades, além da já esperada (e que virá no post seguinte, espero que ainda hoje), tive várias pequenas avarias que me forçaram a gastar dinheiro, mas nada do outro mundo. A mais chata foi a do disco do meu PC principal em casa, e estive mesmo para comprar um PC novo (não só por não ter na altura a certeza de que o problema fosse mesmo do disco, como também por aquele já ser relativamente velho — eu adoro jogos de computador, e ele já não aguentava os novos), mas acabei por ter juízo e decidir comprar só um novo disco (SSD, que estão bem mais baratos do que há uns tempos) e instalar Linux (o anterior tinha Windows, sobretudo por causa dos jogos). Até ficou bem mais rápido, sobretudo por causa do disco, e, mais importante, custou-me 63€ em vez de os cerca de 1000€ que um PC novo (“de jeito”) me custaria.

De resto, ando com tão pouca cabeça para estas coisas que nem tenho lido blogs ou livros sobre o assunto. 🙁 Acabei há tempos o Financial Freedom do Grant Sabatier, e comecei o I Will Teach You To Be Rich do Ramit Sethi, mas já não lhe pego há semanas (nada de errado com o livro, é mesmo problema meu); a ver se eventualmente falo deles aqui. Acho que estou a precisar mesmo de férias; sinto a cabeça cansada, e pouca vontade de fazer coisas — felizmente, vou ter uns 6 dias para descansar no fim do mês (fim de semana prolongado + os últimos 3 dias de férias este ano).

Evolução mensal das dívidas #17 (31 de Agosto de 2019)

(valores ligeiramente arredondados, como sempre.)

  • Cartões de crédito: 0€ (igual ao mês anterior)
  • Créditos: 27150€ (menos 260€ que no mês anterior)

Total em dívida: 27150.

Evolução desde o fim de Julho: menos 260€.

Mais um mês sem surpresas. A ver se no próximo mapa de responsabilidades (de 30 de Setembro, que deve sair perto do fim de Outubro) já terá desaparecido o crédito “pequeno”…

Gráfico:

Evolução das dívidas - Julho de 2019

Acumulação vs. Investimento: mês #7

(NOTA: como falado aqui, neste momento os valores da acumulação são fictícios, já que estou a acumular mais, e parei de investir (mantendo só o que já existe) de forma a pagar os créditos mais depressa. Desta forma, os “100%” são o valor que lá estaria se tivesse continuado a acumular tanto quanto invisto, o que aconteceu realmente durante os 6 primeiros meses. Mesmo assim, acho que esta experiência continua a ter piada.)

Meses de acumulação e investimento: 7

Acumulação: 100%

Investimento: 102,73%, dos quais 0.94% são resultado de dividendos, e que já excluem 0,12% (do valor total dos investimentos) retirados por tarifas do ETFmatic.

Gráfico:

Acumulação vs. Investimento: mês #7

 

Evolução mensal das dívidas #16 (31 de Julho de 2019)

Era para ter sido ontem, mas afinal é hoje. 🙂

(valores ligeiramente arredondados, como sempre.)

  • Cartões de crédito: 0€ (menos 75€ que no mês anterior)
  • Créditos: 27410€ (menos 260€ que no mês anterior)

Total em dívida: 27410.

Evolução desde o fim de Junho: menos 335€.

O costume, mais uma vez. O próximo deve ser semelhante, mesmo que entretanto já tenha despachado o crédito “pequeno”, já que os mapas de responsabilidades saem uns 20 dias depois da data a que se referem (neste caso, por exemplo, saiu no sábado passado). A ver se o seguinte tem uma diferença maior. 🙂

Gráfico:

Evolução das dívidas - Julho de 2019

Novidades (fim de Agosto)

Estive de férias cerca de uma semana (regressei a meio da semana passada), daí a recente ausência de posts. Mas vamos lá…

Obrigado a todos/as pelos comentários no meu último post, Mudança de planos!; é bom ver que ainda ainda me fazem companhia nesta aventura. 🙂

Como disse nesse post, a ideia para já é pagar o crédito “pequeno” na totalidade, e depois começar a juntar para fazer amortizações ao “grande” sempre que possível. Relativamente a esse primeiro crédito, posso dizer que neste momento já tenho acumulado cerca de 75% do valor ainda em dívida, pelo que, tentativamente (é possível que ainda demore mais um mês, para ser mais “à vontade”) dará para eliminar o referido crédito no fim de Setembro. Com isso, é como se fosse “aumentado” em cerca de 80€ mensais, além de ainda poupar uns trocos em juros, no total. E o gráfico da evolução das dívidas passará a ter só uma cor. 🙂

Sem ser isso, não há grandes novidades. A Serra da Estrela continua um espectáculo (já lá passo férias desde os 8 anos ou isso, parte da família vem de lá), e ir de comboio, além de ficar em casa da família, permitiu reduzir bastante os gastos, o que é sempre bom — e, mesmo assim, em Julho e Agosto gastei mais do que queria ter gasto. Mas nos próximos meses recupero.

Estou actualmente a ler este livro; é de ficção histórica (faz-me lembrar o Shogun do James Clavell, por exemplo), mas indirectamente até tem a ver com finanças/bolsa — o esquema, lá para 1720, da South Sea Company para inflacionar as suas acções, e a resultante “bolha”, aconteceram mesmo, e muita gente perdeu muito dinheiro. Tem piada ver como estas coisas não são novas… (Curiosamente, descobri o autor por ele ter escrito um comic da Marvel, há uns anos, ao qual achei bastante piada. E ainda dizem que não se aprende nada com comics mainstream. 😛 )

Ah, e ainda devo fazer o post da evolução das dívidas hoje. Até logo! 😉