Blog #2: No More Harvard Debt

Hesitei em incluir este blog já no #2 desta série, porque 1) é relativamente “avançado” em termos do desafio quase extremo de frugalidade que o autor fez a si mesmo (e do qual esteve à altura), o que pode de alguma forma ser desmoralizador para certos tipos de pessoas 1, e 2) eu próprio ainda não o “acabei” (só vou em Dezembro, 4 meses depois de o blog começar). Mas achei-o tão inspirador (e desafiante), que não resisti a partilhá-lo já.

O blog, portanto, chama-se No More Harvard Debt, e começa em 2011, com este personagem, nos seus 20s, recém-formado na Harvard Business School, e com um bom emprego, mas com um empréstimo estudantil de cerca de $90K. Ele decide, então, desafiar-se a pagar todo esse empréstimo em 10 meses, custe o que custar… e o blog vai contando as peripécias dele ao longo desses 10 meses.

Entre outras coisas, ele:

  • levanta todas as poupanças-reforma que tinha (mesmo com a penalização por as levantar antes dos 60) e usa-as para pagar logo uma boa parte da dívida;
  • “desliga” as contribuições automáticas para essas poupanças, também (nos EUA a maior parte dos empregadores oferece essa possibilidade, e até contribuem com um equivalente (até certo ponto) da parte deles, pelo que em situações normais faz todo o sentido contribuir o máximo que se pode… mas não nesta situação. Incidentalmente, vejam o meu post das “despesas semanais” amanhã…);
  • aluga 2 quartos da sua casa a completos desconhecidos;
  • vende a mota e um dos carros (tudo já pago, mas já com uns bons anos — ele consegue $10K por ambos, no total);
  • consegue uma promoção no trabalho;
  • experimenta vários “segundos empregos”;
  • reduz o orçamento mensal de entretenimento de mais de $1000(!) para $50-$100;
  • passa a levar um “flask” de whisky ao sair à noite com os amigos, passando a pedir só Coca-Colas (ele é um tipo mais extrovertido e bastante “social”, e escolhe não deixar completamente de sair), além de habituar os amigos à ideia de que não há cá rodadas pagas (nem as aceita da parte deles);
  • falta a vários casamentos de amigos e colegas (por implicarem viagens grandes, prendas, etc.);
  • saídas com o sexo oposto passam a ser bastante mais raras: não sei se parte disso vem da cultura ultra-consumista dos EUA, mas segundo ele a maior parte das mulheres americanas nos 20s não está muito virada para “ei, vamos fazer uma caminhada?” como primeiro encontro 🙂 , está à espera de coisas mais tradicionais — e mais caras.

E isto é até onde já li (Dezembro, como disse acima); de certeza que há mais mudanças para vir. O blog tem a particularidade de ter princípio, meio e fim (spoiler: ele consegue pagar tudo nos 10 meses propostos), e faz uma boa história; ele ainda postou mais umas vezes depois de acabar o desafio, mas só muito esporadicamente (o último post, neste momento, é de 2016).

Acho que é uma história inspiradora, se bem que pode até “assustar” um pouco, como disse no início; faz com que sintamos que ainda não fizemos “nada” em termos de poupanças. Por exemplo o meu próprio auto-desafio, de pagar <3500€ de dívidas de cartões de crédito até Novembro, é uma piada ao pé do dele — é algo que provavelmente daria para concluir um ou dois meses mais cedo, com mais dedicação e, sim, sacrifício.

Claro que (lá vêm as desculpas 🙂 ) algumas coisas nesse blog só se aplicam aos EUA, e outras só ao caso específico dele (nos 20s e com toda a energia e tempo livre dessa idade, MBA, bom emprego, zero dívidas (fora a casa) além dos tais empréstimos estudantis, 3 veículos pagos na garagem, e uma personalidade extrovertida.) Por exemplo, não me imagino mesmo a alugar quartos na minha casa: já tenho outro tipo de vida, além de precisar muito do meu espaço, privacidade, etc.. Segundos empregos (com horários) também não me parecem viáveis, mas posso (e quero) aumentar o rendimento dos meus vários projectos. Ainda tenho de ver o que posso vender (carros, motas e afins não há, mas tenho de ir explorar a arrecadação). Aumentos, só mudando de emprego, mas por outro lado dou muito valor ao facto de trabalhar ao pé de casa, poupando imenso em termos de tempo, gasolina e stress. E assim por diante.

Enfim. Se querem ver como foi possível pagar $90K em 10 meses, e todas as peripécias passadas (e ele faz várias coisas que não resultam, não dão em nada, ou até são contra-producentes, acreditem — está longe de ser um caminho perfeito), e querem ler isso como uma história (ou pelo menos uma colecção de “entradas de diário” — já parece um dos meus livros preferidos de sempre 🙂 ), recomendo vivamente este blog — comecem pelo primeiro post, e vão usando os links de “post seguinte” 2. Eu, pelo menos, estou a gostar (cada dia tenho lido mais uns posts, por ordem cronológica, normalmente à noite). 🙂

Blog #1: Mr. Money Mustache

(Bem-vindos/as à nova secção do OvelhaOstra: blogs! Tinha-os mencionado quase como um “afterthought” aqui (depois dos livros e podcasts), mas nunca dá para prever a minha própria cabeça, por isso… aqui vai.)

O primeiro blog a ser mencionado não podia, acho eu, ser outro senão o Mr. Money Mustache (ou MMM). Afinal, não só é um dos grandes “fundadores” modernos de todo o conceito de FIRE (Financial Independence/Retire Early), como o blog dele é, basicamente, a razão pela qual me passei a interessar por estes temas — poupança, frugalidade, investimentos, e, claro, a possibilidade de atingir um dia a independência financeira. Ou seja, sem MMM não haveria OvelhaOstra 1.

Como se não bastasse, acho que o blog dele faz (lido por ordem, do primeiro post até ao mais recente, usando os links de “next post“) uma leitura fascinante, que se termina em poucas horas. É informal, até um pouco agressivo (num bom sentido, acho eu), tem sentido de humor, histórias fascinantes para contar, e é impossível não pensar, frequentemente, “eu também consigo fazer isto.” (ou “porque é que só agora é que estou a ouvir isto?“…)

Acho que servirá de inspiração — e fonte de ideias — para qualquer um, quer seja alguém que já se interesse por isto, ou apenas alguém frustrado com a vida, tipo “já trabalho há anos, (possivelmente) até ganho acima da média do país, mas cada mês tenho de passar a última semana a contar tostões; parece que quanto mais ganho mais gasto; os meus cartões de crédito estão sempre no limite; se tivesse uma emergência não saberia o que fazer…” Sim,  uma forma melhor de agir. E, começando bem cedo (nos 20s), acho que, mesmo em Portugal (com os nossos ordenados relativamente baixos, mesmo levando em conta o custo de vida também reduzido), é possível chegar à independência financeira (o que, mais uma vez, não implica que nunca mais se trabalhe na vida) pelos 40 ou isso. (Estando já nos 40s, para mim vai ser mais complicado, mas mesmo assim espero 1) “reformar-me” antes da idade de reforma normal, e 2) não depender da reforma que possa vir a receber. Veremos…)

Um exemplo de um post dele ao qual volto com alguma frequência é este (já de 2012): News Flash: Your Debt is an Emergency!! 2 O melhor, obviamente, é lerem o post, mas muito resumidamente ele critica quem (como eu 🙁 ) tem dívidas de cartões de crédito (ou outras dívidas “más” em geral — a única “boa” é possivelmente a da casa) e, mesmo assim, continua a ter uma vida normal. O exemplo que ele conta é de um colega na faculdade que lhe pediu dinheiro emprestado, mas depois continuou a viver a vida “normal” de estudante, a sair à noite, “borgas”, comer fora, etc. – quando ele tinha suposto que o amigo iria viver uma vida frugal ao máximo, de forma a pagar a dívida o mais depressa possível. Segundo o MMM, o amigo acabou por pagar tudo, a questão nem foi essa; foi, sim, o facto de que ele se apercebeu que “as pessoas normais” vivem muito melhor com dívidas do que ele. Para ele, dívidas (sobretudo de cartões de crédito, com os seus juros altíssimos e pagamentos mínimos que só pagam os juros, sem sequer reduzir a dívida) não são algo que “se vai gerindo“, são uma emergência a resolver urgentemente — a comparação que ele faz é estar a ser mordido por um enxame de abelhas assassinas. 🙂

Eu confesso que, apesar de mais de 3000€ de dívidas de cartões de crédito, ainda não entrei em “modo emergência”: continuo a almoçar fora no trabalho (mesmo sendo relativamente barato, e vindo quase tudo do cartão de refeições do empregador, que em geral não dá para ser usado para muito mais do que restaurantes), continuo a ter uma alimentação para além de “feijão em lata, arroz e água”, continuo a ocasionalmente passear, ir de férias (mesmo tendo mais atenção aos gastos do que antigamente), etc.. Mas sei que é possível fazer muito melhor — e o blog #2 (coming soon) será um óptimo exemplo prático disso.

Anyway: Mr. Money Mustache, senhoras e senhores. Recomendo mesmo que comecem pelo primeiro post, e leiam o blog todo — são só umas horas (na minha opinião) bem passadas. Também podem ver a lista de posts (ler de baixo para cima).