O factor galão

Galão
Imagem: Ondřej Žváček

O factor galão (ou latte factor, em inglês 1 — ou fator galão segundo o Acordo Ortográfico) é o termo que o autor David Bach (O Milionário Automático, etc.) arranjou para a ideia de que pequenos gastos no dia-a-dia não são desprezáveis e podem, ao longo do tempo, fazer uma diferença enorme na situação financeira de cada um — mesmo parecendo “tão pouco”.

Quantas pessoas conhecemos — e talvez nos possamos incluir a nós próprios nelas — que saem de casa em jejum (ou quase), chegam de manhã cedo ao trabalho, e depois vão logo a seguir para o café mais próximo, porque “antes do café, não me digam nada!“, onde, além de um galão (lá está) ou semelhante, não dispensam um croissant, ou um queque, ou um pastel de nata, ou uma sandes. Possivelmente levam mais qualquer coisa para o meio da manhã e/ou para a tarde, isso se não voltarem ao café às 11 da manhã para o “segundo pequeno-almoço” 2. Provavelmente comem pouco ao almoço (afinal, quem é que tem fome tendo comido há relativamente tão pouco tempo?), por isso pelas 16h a fome regressa e, caso não tenham já comprado o lanche de manhã, não dispensam voltar ao café, onde vai mais um bolo, sandes, café, galão, cappuccino, etc..

O problema é que esses pequenos-almoços e lanches são tudo menos baratos… e, no fim do mês, fazem diferença. É fácil uma pessoa gastar 4 ou 5 euros de cada vez (possivelmente até mais), o que, duas vezes por dia, em 20 dias úteis, dá uns 200€ por mês — 300€ se a pessoa não dispensar as idas ao café também nos fins de semana.

Pensem um pouco, se quiserem — sobretudo se o que ganham vos chega “à justa” — em como um aumento de 300€ líquidos poderia facilitar as vossas vidas. Em como cada mês poderia ficar bastante mais folgado. Em como poderiam, todos os meses, poupar mais, ou pelo menos pagar dívidas mais depressa. Pensem no que teriam de fazer, nos vossos trabalhos, para conseguir das chefias um aumento tão significativo, ou — caso recebam em função do trabalho produzido — quantas mais horas teriam de trabalhar todos os meses, para ganhar essa quantia adicional.

E isso é só num mês. Em um ano, seriam 3600€ a mais. Em 10 anos (mesmo sem contar com ganhos de investimentos, que não seriam de se deitar fora), 36000€, obviamente — o que já daria, provavelmente, para eliminar grandes problemas da vida… ou ficar um ano ou dois sem trabalhar, para experimentar criar o próprio negócio, ou simplesmente descansar uns tempos. Ou, simplesmente, para aproximar a independência financeira em 36000€.

Agora, de certeza que alguns dos leitores/as estão a pensar “sim, isso é tudo muito bonito, mas o galão e os bolos são dos grandes prazeres da minha vida, são o que me permite aguentar o dia-a-dia; eu sei que se cortasse poupava dinheiro, mas não teria uma vida que consideraria suportável. (E quem és tu para falar, que já disseste aqui que almoças ao pé do trabalho todos os dias?)

Ao que eu respondo… tudo bem. Não estou aqui para — nem é o objectivo do blog — julgar ninguém (eu próprio já me julgo a mim próprio demais, acreditem). Como se falou recentemente nos comentários aqui, cada um tem os seus próprios valores, as suas próprias prioridades, e tem de decidir por si próprio até onde ir, em termos de poupança — o que é que lhe é “vital”, e o que lhe é apenas “desejável”. E eu próprio (e talvez isso mereça outro post no futuro) sou a favor de se maximizar a relação dinheiro poupado/intensidade do sacrifício, pelo que se têm outra coisa em que podem poupar mais e/ou “sofrer” menos com a alteração… força, vão por aí. E se depois disso quiserem/precisarem de poupar ainda mais, voltem a olhar para esta questão (ou para qualquer outra) — o “ganho” será menor e/ou o sacrifício será maior, mas mesmo assim pode valer a pena. Ou não.

A ideia deste post, portanto, é apenas chamar a atenção de que gastos regulares deste tipo são, ao longo do tempo, muitas vezes bem maiores do que podem parecer à primeira vista. No caso do “galão” (ou, mais precisamente, as idas ao café, duas vezes por dia), conheço efectivamente quem 1) tem esse hábito, e 2) queixa-se do estado das suas finanças, e provavelmente dava tudo para ter mais 300€ por mês… mas não vê a ligação entre as duas coisas.

(E, sim, no meu caso também posso fazer melhor (não nas idas ao café, que já não existem, mas noutras coisas) — tenho de ver onde “atacar”.)

Mesadas, e tabus sobre dinheiro

Imagina a situação: queres muito ter X, mas X custa 5 vezes o que te resta todos os meses (depois de pagar contas, pôr de parte o dinheiro para a comida e outros bens de primeira necessidade, etc.). Vamos supôr que não tens nem poupanças nem dívidas. O que fazes?

  1. Desisto; nunca vou ter esse dinheiro, pelo menos enquanto ganhar somente o que ganho.
  2. Compro com o cartão de crédito, e fico a pagar nos próximos 10 meses ou mais.
  3. Poupo durante 5 meses e compro a pronto.
  4. Suborno o ogre com 10 moedas de ouro e duas provisões, para ele me deixar passar.

(Desculpem a última, esta lista de opções fez-me lembrar coisas do passado.  🙂 )

Agora que somos todos adultos, e interessados nestas coisas (finanças pessoais, poupança, etc.), a resposta óbvia será, sem dúvida, a 3 1. Mas, acreditem ou não, passei a infância e adolescência a achar que a única resposta para já era a 1 (a não ser que alguém da família tivesse um ataque de generosidade), e depois passei os 20s e os 30s (e, para vergonha minha, o início dos 40s) a ir sempre para a 2.

E porquê? Não quero, obviamente, culpar outros pelos meus erros (aliás, “culpar” é quase sempre a coisa errada — ao focarmo-nos demais em “culpas”, não estamos a olhar para soluções), mas acho que grande parte do problema foi nunca ter tido mesada, e ter crescido em casas 2 onde falar de dinheiro era tabu.

O resultado disto é que cheguei à idade adulta a acreditar (mesmo que inconscientemente) que o dinheiro era “para gastar”, que a única forma de ter algo que não “coubesse” num ordenado era comprar a crédito, e sem ter mentalizado conceitos complicadíssimos como “não gastar agora, para daqui a uns meses poder comprar o que realmente quero” (já nem falo de outros conceitos super-avançados, tais como “poupar (e, idealmente, investir) X% todos os meses“…).

Note-se, até acho que mesadas não devem ser incondicionais. Acho que devem estar condicionadas a certas coisas (ex. X por cada dia do mês em que o quarto esteve arrumado, mais Y em proporção às boas notas, mais Z por fazer esta ou aquela tarefa em casa, e assim por diante). Afinal, no mundo real ninguém recebe só por existir…

A outra parte do problema foi, como disse acima, o tabu em falar-se de dinheiro. A única “sabedoria” que alguma vez ouvi da minha família — tivesse eu 16 anos, ou 26, ou 36 — não incluo os 6, lá está, por não ter tido mesada) foi “poupa!“, mas nunca me disseram porquê, nunca me falaram de conceitos como juros de cartões de crédito, juros compostos, investimentos, contas-poupança, outros tipos de poupanças, como gerir o ordenado / planear os gastos do mês, etc.. Nada disto; tive de aprender tudo “intelectualmente” por mim próprio, já depois de sair de casa da família, e acho que só “interiorizei” já depois dos 40, quando me comecei a interessar a sério por estes assuntos (e a ler livros, blogs, etc. sobre eles).

O resultado disto, obviamente, foi chegar aos 40 com dívidas e sem poupanças… quando era suposto ser ao contrário.

Mais uma vez, não estou a culpar ninguém pelos meus próprios erros, mas só pergunto: porque é que isto teve de ser assim? Porque é que a minha família, cujos membros (em geral) eu sei que até percebem/percebiam (alguns já cá não andam) de dinheiros e afins, não partilharam isso? Porque é que cada geração tem de aprender tudo a partir do zero, sem se aproveitar a experiência da geração anterior? Claro que isto é só a minha família, especificamente, mas tenho a ideia de que o meu caso não é único, que em muitas famílias quase todas as gerações são obrigadas a “reinventar a roda”, a repetir os mesmos erros e — uns mais cedo, outros mais tarde, outros nunca — a aprender com eles… para depois os filhos passarem pelo mesmo outra vez.

Desculpem lá o desabafo, mas estes tabus são ridículos. E, se um dia tiver filhos, vou agir da forma oposta.

(Nota: este post é uma expansão de dois comentários que fiz no blog A teia dos 20 mais x!.)