Acumulação vs. Investimento: uma experiência

Para ver se animo um bocado o blog 🙂 , decidi há dias iniciar uma experiência, cujos resultados vou partilhar aqui nos próximos tempos. A ideia é desmistificar um pouco o conceito de investimento, já que, pelo que vi em comentários passados, é comum em Portugal ter-se alguma desconfiança em relação a investir na bolsa, preferindo-se contas-poupança, certificados de aforro e afins, cujos juros actualmente são bastante mais baixos do que já foram 1.

Investir, por outro lado, tem um risco maior, já que as acções em questão podem descer abaixo do valor inicial, e de tempos a tempos há os chamados “crashes”, o último dos quais foi em 2008. Muita gente que perde dinheiro nos “crashes” fá-lo devido à natureza humana, que frequentemente faz com que a pessoa tome a acção contrária ao que seria racional fazer — por exemplo, se as acções caíram imenso, a tendência é vender (por uma fracção do preço inicial) antes que caiam ainda mais… mas isso significa que se perdeu efectivamente a maior parte do dinheiro investido. A longo prazo, a tendência dos mercados é sempre subirem; pode é ser necessário aguentar um ou dois anos de “angústia” quando há um “crash”.

(Claro que há o perigo de uma empresa na qual se investiu falir totalmente e perder-se todo o investimento, mas a solução para isso é investir não em empresas/acções individuais, mas sim nos chamados “index funds“, como por exemplo um que siga o S&P 500. Seguindo as maiores 500 empresas dos EUA (que são para todos os efeitos multinacionais, não estão limitadas aos States), se uma delas falir, ou mesmo descer abaixo do top 500, ela é retirada do fundo e substituída por outra, automaticamente. A única forma de se perder tudo num fundo destes, portanto, seria um completo acabar do conceito de “bolsa”, o que só aconteceria numa catástrofe global (ex. III Guerra Mundial). Sem ser isso, por muito que caia, acabará sempre por voltar a subir — é só questão de se ter paciência e não se entrar em pânico.)

A minha ideia, portanto, é a seguinte: pelo menos uma vez por mês (mas podem ser mais vezes), vou “acumular” (transferindo para uma conta secundária, sem juros “palpáveis”) determinada quantia (nunca inferior a 100€), e, ao mesmo tempo, vou investir a mesma quantia. Escolhi o ETFmatic para isto, com um portfolio customizado por mim (que provavelmente é inferior a simplesmente pôr tudo no S&P 500, mas também estou a usar isto para comparar vários tipos de investimento — ou seja, sem dúvida que dá para fazer melhor que isto, seja no ETFmatic seja investindo directamente, por exemplo num broker tipo DeGiro. Depois desta experiência, provavelmente mudarei o portfolio para algo mais eficiente). A escolha do ETFmatic deve-se também à questão de poder simplesmente transferir dinheiro para lá e eles tratarem do resto, incluindo o reinvestimento de dividendos.

Por outro lado, por uma questão de privacidade, não quero aqui divulgar valores. Desta forma, a minha ideia é a seguinte:

  • o valor acumulado será sempre apresentado como 100%;
  • o valor resultado dos investimentos será uma percentagem em proporção ao valor acumulado.

Por exemplo, se tivesse 100€ acumulados e o valor resultante dos investimentos fosse 105€, apresenta-lo-ia como 105%.

A minha ideia é postar sobre estes valores no último dia de cada mês — portanto, a primeira vez será daqui a 20 dias 2. A primeira acumulação e investimento foram feitos no passado dia 30 de Janeiro, mas ainda espero fazer mais uns (sempre valores iguais um ao outro, repito) antes do fim de Fevereiro, quando receber.

Vou tentar fazer isto (sem levantar nada da acumulação ou dos investimentos) pelo menos durante um ano. Isto assumindo que não há emergências…

E os inevitáveis disclaimers:

  • nada disto constitui aconselhamento financeiro / de investimentos, obviamente; estarei só a partilhar os resultados de uma experiência minha;
  • como disse acima, o meu portfolio no ETFmatic está longe de ser o ideal; estou também a comparar, para satisfação de curiosidade pessoal, os vários tipos de ETFs lá (em geral divididos por regiões do mundo), em vez de pôr tudo no que quase sempre é o mais eficiente (S&P 500) ). Sim, estou possivelmente a perder dinheiro pela ciência! 🙂
  • sim, eu sei que um ano não é nada em termos de investimentos; estes devem ser vistos em termos de décadas. As acções tanto podem continuar a subir como tem acontecido desde 2010 ou isso, como pode haver outro “crash” antes do fim do ano. A minha ideia não é dizer “investir é sempre melhor“, é apenas “estão a ver, a bolsa não morde (nem é preciso ser rico para investir)“; 🙂
  • o valor apresentado dos investimentos incluirá o valor actual dos ETFs, somado ao valor já no ETFmatic mas ainda por investir (por exemplo, por o valor restante depois de compra de vários ETFs não chegar para comprar mais uma unidade, ou por ter recentemente recebido dividendos e estes ainda não terem sido reinvestidos), sendo-lhe retiradas quaisquer tarifas cobradas pelo próprio ETFmatic (que são bastante baixas);
  • como também disse acima, a frequência das acumulações/investimentos pode variar, mas 1) serão sempre valores idênticos para cada um; 2) serão no mínimo uma vez por mês, e 3) o valor mensal para cada um nunca será inferior a 100€, a não ser que haja alguma emergência na minha vida.

Por último, e só pela piada da coisa (já que ainda só se passaram 9 dias, por isso isto não quer mesmo dizer nada), partilho o estado actual da experiência:

  • Acumulação: 100%
  • Investimentos: 101.1%
  1. e são inferiores à inflacção, o que implica para todos os efeitos perder dinheiro todos os anos… mas, sem dúvida, ainda são melhor ideia do que pôr o dinheiro debaixo do colchão
  2. sim, espero ainda fazer outros posts até lá :)

2 comentários em “Acumulação vs. Investimento: uma experiência”

  1. Publicação interessante 🙂
    Já se fazia esperar que quando voltasses nos trouxesses este assunto. Pelo menos eu esperava 🙂

    Investir na bolsa não é um quebra cabeças, mas convenhamos, somos um povo sem literacia financeira e com muito pouco interesse a esse respeito.

    Também iniciei a minha “grelha” de investimentos este ano, não em Janeiro como tu, mas agora em Fevereiro, em algo mais pequeno. Numa plataforma portuguesa, para ver como a coisa corre. O pensamento é, começar a testar os investimentos enquanto me integro de investimentos como os que referes p.e.

    Acho que a ideia de transferires o mesmo montante para uma conta de acumulação e para investimentos é um bom começo. Aliás, acho que se todos o pudessem fazer seria perfeito. Acumulação como garantia de emergência e investimento como forma de incrementar valor.

    Boa continuação 🙂

    1. Obrigado!

      Já estás a investir também na bolsa? Ou é “só” (entre aspas, não quero menosprezar) em fundos, seguros, certificados, etc.? Não mencionaste nada no teu blog…

      Se é na bolsa, podes partilhar que plataforma é? Estás a fazê-lo pelo teu banco? Sem ser os bancos, não sabia de nenhuma plataforma portuguesa; em geral são estrangeiras, tipo DeGiro ou GoBulling…

Responder a OvelhaOstra Cancelar resposta