Gastos semanais: Semana #19 (8 a a 14 de Setembro de 2018)

Nota: como habitualmente, os valores em geral são arredondados.

Gastos na conta bancária:

  • 36€ – água (mensal)
  • 25€ – empregada
  • 44€ – electricidade (mensal)
  • 163€ – supermercado

Gastos no cartão de refeição:

  • 40€ – 5 refeições

Gastos no cartão de crédito:

  • 15€ – comics assinados no Comixology

Resultados:

Gastos totais: 323€
Gastos em entretenimento: 15€ (4.6% do total).

Desta vez portei-me melhor, acho eu. 🙂 4.6% dos gastos totais em entretenimento é até abaixo da média em que queria em geral estar. A ver se isto continua…

Ainda acho que consigo deixar de ter quaisquer dívidas em cartões no fim de Novembro. Vai ser a primeira vez em décadas… 🙂

7 comentários em “Gastos semanais: Semana #19 (8 a a 14 de Setembro de 2018)”

    1. Hello! Obrigado, já agora, pela tentativa de “fazer acordar” o blog. 🙂

      Confesso que tenho poucos conhecimentos sobre ofertas de “coisas de poupança” em Portugal. Há uns anos olhei para isso um pouco, mas não aprofundei.

      O meu avô (já falecido há uns bons anos) tinha a maior parte das poupanças em certificados de aforro, mas pelo que sei eles vêm de outra época, em que os juros eram muito mais altos, sobretudo depois de uns anos, e portanto eram uma escolha bastante melhor. Agora, olhando para aqui, vê-se que a taxa de juro é…

      Determinada mensalmente no antepenúltimo dia útil do mês, para vigorar durante o mês seguinte, segundo a fórmula:
      E3+1%
      em que E3 é a média dos valores da Euribor a três meses observados nos dez dias úteis anteriores, sendo o resultado arredondado à terceira casa decimal.

      Da aplicação da referida fórmula não poderá resultar uma taxa base superior a 3,5%, nem inferior a 0%.

      A Euribor tem estado negativa, pelo que os juros são abaixo de 1%. Por outro lado, não sei como funciona o facto de eles serem mensais em vez de anuais. Aumentar 1% por mês (mais, depois de uns anos) parece-me “muita fruta”, por isso imagino que não seja bem assim. E pela simulação deles, 1000€ comprados em 1 de Novembro de 2017 (há quase um ano — não deu para pôr exactamente um ano, nessa página) seriam agora 1003€ — ou seja, rendimento de 0.3% num ano. Imagino, portanto, que os juros indicados sejam anuais, mas depois calculados mensalmente (divididos por 12). Um dia irei perceber melhor estas coisas. 🙂

      Anyway, quando assinei durante uns tempos a Proteste Investe (já foi há mais de um ano), eles diziam frequentemente que a melhor opção deste tipo, em Portugal, eram os “Certificados do Tesouro Poupança Mais”. Também não sei nada sobre isso além do que é indicado no site.

      Talvez eventualmente faça experiências com essas coisas, mas para já (ou, para ser exacto, quando acabar de pagar os cartões) estou mais virado para investir em “index funds” na bolsa. Mas depois penso diversificar, pelo que este tipo de poupanças também será uma opção. Depois partilharei aqui o que aprender, e os resultados…

      P.S. – não consigo mesmo que mantenhas o “tu” por muito tempo, não é? 🙂

      1. Boa tarde,
        Sim, eu tive o cuidado de ir comparar as séries anteriores com a agora disponível (E) e confirmei isso mesmo, foi um bom investimento à uns bons anos, por altura dos meus avós, e pelos vistos dos teus também.
        Também fiz a simulação de que falaste e realmente vi que rendia os pouco mais de 3€ anuais. Por isso te chamei aqui ao assunto 🙂
        Com Euribor a andar a negativos e acaba por arrastar a % de juro deste investimento. Mas com capitalização a 3 meses, embora míseros valores, o risco é zero.

        À uns tempos atras andei a ver as opções nos bancos privados que tenho aqui ao “lado” , Millennium nem vale a pena a visita a planos de poupança, é irrisório. No EuroBic vi algumas opções com entradas entre os 5oo€ e os 2.000€, também produtos sem riscos, em que todas as opções tinham taxas superiores à da instituição com que trabalho agora com a poupança num, já, bom valor para poder render bem mais. Mas quando entro em simuladores online ou eu mesmo faço as contas a desgraça dos números até me faz rir.

        Fazes bem, em após eliminar os cartões te dedicares ao investimento. Confesso que nunca li muito nem tentei ler sobre investir na bolsa, parece-me meio sem chão. E não me parece que vá envergar por ai. Mas força, vou gostar de acompanhar.

        Não leves a mal, quanto a isto do “tu”, as vezes vai na força do habito na sequencia das atividades anteriores.

        cumprimentos

        1. Já agora (e, mais uma vez, só respondes se quiseres, eu não me ofendo 🙂 ), e já que estás à minha frente (tens poupanças, eu ainda estou a reduzir dívidas), onde é que pões as tuas poupanças? Guardas só no banco (o que é pouco melhor do que ter debaixo do colchão, mas pelo menos podes levantar quando quiseres)?

          Eu insisto na questão do “tu” (e não é só contigo) numa de pôr as pessoas à vontade, e de tratar todas as pessoas em pé de igualdade, mas compreendo que neste blog em particular, onde (por várias razões) não me dou a conhecer, isso possa não ser natural. (Quem me conhece pessoalmente, nunca pensaria em tratar-me por “você” ou “o senhor”. 🙂 ) Mas às vezes penso que posso estar a agir de forma incorrecta: afinal, cada um tem direito a ser tratado como quer. Se preferes mesmo tratar quem não conheces pessoalmente e/ou há décadas de uma forma menos informal, diz, e eu não volto a chatear com isso. 🙂

          1. Neste momento em casa tenho muito pouco (apenas para fazer face a alguma eventualidade), todas as minhas outras poupanças estão aplicadas numa conta poupança. Daí a procura por algo alternativo. Escusado será dizer que esta poupança me dá pouco anualmente, muito pouco, mas é mesmo para não ter o dinheiro em casa.

            Em 2019 queria trabalhar para aplicar, mas não vejo alternativas sem risco que compensem o esforço (sim, que isto de poupar é trabalhoso).

            Por mim o tu está bom 🙂

Deixar uma resposta