Mais situação actual: Despesas mensais

Mais uma vez, os valores são aproximados.

  • Créditos: 600€
  • Carro: 333€ (só mais 2 meses)
  • Cartões de crédito: o mínimo somado é de cerca de 300€, mas sempre que posso pago mais que o mínimo. Isto inclui várias despesas mensais (assinaturas, servidores alugados, etc.) que são pagas por um dos cartões
  • Gasolina: 70€ (tanque cheio) aproximadamente a cada 40-45 dias (vantagens de trabalhar perto de casa)
  • Electricidade: 55€
  • Água: 35€
  • Gás: 35€
  • Internet/Telemóveis/TV: 80€
  • Seguro de saúde: 45€
  • Almoços perto do trabalho: 40-50€ por mês (depois de acabar o carregamento do cartão de refeição do trabalho, o que normalmente acontece lá para dia 18-20)
  • Supermercado: 100-150€
  • Investimento em ETFs: 50€ (já lá vamos)
  • Entretenimento (sobretudo livros, audiobooks, comics, Netflix e videojogos): incluído nos cartões de crédito acima, mas tem andado à volta de 75-100€. A reduzir, obviamente

Total (máximo): 1803€ 🙁

Obviamente, há muito a melhorar aqui. Em termos de electricidade, água, gás, etc., até estou razoável. Talvez dê para reduzir a conta de telecomunicações, mas não em muito. Os investimentos vão entrar em pausa até os cartões de crédito estarem totalmente pagos. O orçamento para entretenimento vai ter de ser drasticamente reduzido, para uns 50€ mensais no máximo. Trabalho perto de casa e gasto muito menos em gasolina do que a maioria dos portugueses, pelo que sei, mas não dá mesmo para ir mais longe e ir de bicicleta ou algo do género (é uma zona tudo menos plana, além de que os condutores portugueses são o que se sabe). Quanto à possibilidade de trazer marmita… tenho várias razões para continuar a almoçar com o actual grupo de colegas, desde até 🙂 gostar da companhia deles, ser do pouco convívio que tenho, e ser muito mais relaxante do que ir para uma copa a abarrotar de gente que não conheço, todos na fila para os microondas, e inevitavelmente com um cheiro a mariscos/polvo/lulas insuportável. 🙂

Os créditos ainda estão longe de acabar de pagar, por isso para já vou-me focar no que disse acima: acabar de pagar o carro, “limpar” os cartões de forma a não haver mais juros nem pagamentos mínimos, e usar só um deles para assinaturas, servidores e entretenimento, mantendo tudo isso perto de 150€. Dessa forma, fica:

  • Créditos: 600€
  • Cartão de crédito: €150 no máximo (sempre pago a 100%, automaticamente)
  • Gasolina: 70€ (tanque cheio) aproximadamente a cada 40-45 dias (vantagens de trabalhar perto de casa)
  • Electricidade: 55€
  • Água: 35€
  • Gás: 35€
  • Internet/Telemóveis/TV: 80€
  • Seguro de saúde: 45€
  • Almoços perto do trabalho: 40-50€ por mês (depois de acabar o carregamento do cartão de refeição do trabalho, o que normalmente acontece lá para dia 18-20)
  • Supermercado: 100-150€
  • Entretenimento: já incluído acima, no cartão de crédito

Total (máximo): 1270€

Já está melhor: menos 533€ do que actualmente. Ainda não permite, no entanto, poupar/investir 50% do que ganho (incluindo dos sites); para isso será necessário aumentar os lucros e/ou reduzir mais as despesas, mas há pouca coisa ali que dê para reduzir significativamente (reduzir um pouco o entretenimento? as despesas de supermercado? as telecomunicações? Não estou a ver isso tudo junto a fazer mais de 30-40€ de diferença, mas também não ponho de parte a ideia). De qualquer forma, investir (depois de juntar o fundo para emergências) uns 35% dos lucros já não será mau de todo — melhor do que quase toda a gente “normal”, que espera trabalhar até à reforma, e cujas despesas, sabe-se lá como, escalam proporcionalmente ao que ganham — e eu não posso falar, foi o que também sempre fiz.

Como disse no post anterior, espero chegar a este estado daqui a 7 meses no máximo — ou seja, lá para Novembro, ou até antes. Depois uns 3 meses para acumular o fundo de emergências, e depois… 🙂

(E tudo isto é sem aumentar o dinheiro que entra, o que obviamente vou também tentar fazer.)

Deixar uma resposta