Blog #2: No More Harvard Debt

Hesitei em incluir este blog já no #2 desta série, porque 1) é relativamente “avançado” em termos do desafio quase extremo de frugalidade que o autor fez a si mesmo (e do qual esteve à altura), o que pode de alguma forma ser desmoralizador para certos tipos de pessoas 1, e 2) eu próprio ainda não o “acabei” (só vou em Dezembro, 4 meses depois de o blog começar). Mas achei-o tão inspirador (e desafiante), que não resisti a partilhá-lo já.

O blog, portanto, chama-se No More Harvard Debt, e começa em 2011, com este personagem, nos seus 20s, recém-formado na Harvard Business School, e com um bom emprego, mas com um empréstimo estudantil de cerca de $90K. Ele decide, então, desafiar-se a pagar todo esse empréstimo em 10 meses, custe o que custar… e o blog vai contando as peripécias dele ao longo desses 10 meses.

Entre outras coisas, ele:

  • levanta todas as poupanças-reforma que tinha (mesmo com a penalização por as levantar antes dos 60) e usa-as para pagar logo uma boa parte da dívida;
  • “desliga” as contribuições automáticas para essas poupanças, também (nos EUA a maior parte dos empregadores oferece essa possibilidade, e até contribuem com um equivalente (até certo ponto) da parte deles, pelo que em situações normais faz todo o sentido contribuir o máximo que se pode… mas não nesta situação. Incidentalmente, vejam o meu post das “despesas semanais” amanhã…);
  • aluga 2 quartos da sua casa a completos desconhecidos;
  • vende a mota e um dos carros (tudo já pago, mas já com uns bons anos — ele consegue $10K por ambos, no total);
  • consegue uma promoção no trabalho;
  • experimenta vários “segundos empregos”;
  • reduz o orçamento mensal de entretenimento de mais de $1000(!) para $50-$100;
  • passa a levar um “flask” de whisky ao sair à noite com os amigos, passando a pedir só Coca-Colas (ele é um tipo mais extrovertido e bastante “social”, e escolhe não deixar completamente de sair), além de habituar os amigos à ideia de que não há cá rodadas pagas (nem as aceita da parte deles);
  • falta a vários casamentos de amigos e colegas (por implicarem viagens grandes, prendas, etc.);
  • saídas com o sexo oposto passam a ser bastante mais raras: não sei se parte disso vem da cultura ultra-consumista dos EUA, mas segundo ele a maior parte das mulheres americanas nos 20s não está muito virada para “ei, vamos fazer uma caminhada?” como primeiro encontro 🙂 , está à espera de coisas mais tradicionais — e mais caras.

E isto é até onde já li (Dezembro, como disse acima); de certeza que há mais mudanças para vir. O blog tem a particularidade de ter princípio, meio e fim (spoiler: ele consegue pagar tudo nos 10 meses propostos), e faz uma boa história; ele ainda postou mais umas vezes depois de acabar o desafio, mas só muito esporadicamente (o último post, neste momento, é de 2016).

Acho que é uma história inspiradora, se bem que pode até “assustar” um pouco, como disse no início; faz com que sintamos que ainda não fizemos “nada” em termos de poupanças. Por exemplo o meu próprio auto-desafio, de pagar <3500€ de dívidas de cartões de crédito até Novembro, é uma piada ao pé do dele — é algo que provavelmente daria para concluir um ou dois meses mais cedo, com mais dedicação e, sim, sacrifício.

Claro que (lá vêm as desculpas 🙂 ) algumas coisas nesse blog só se aplicam aos EUA, e outras só ao caso específico dele (nos 20s e com toda a energia e tempo livre dessa idade, MBA, bom emprego, zero dívidas (fora a casa) além dos tais empréstimos estudantis, 3 veículos pagos na garagem, e uma personalidade extrovertida.) Por exemplo, não me imagino mesmo a alugar quartos na minha casa: já tenho outro tipo de vida, além de precisar muito do meu espaço, privacidade, etc.. Segundos empregos (com horários) também não me parecem viáveis, mas posso (e quero) aumentar o rendimento dos meus vários projectos. Ainda tenho de ver o que posso vender (carros, motas e afins não há, mas tenho de ir explorar a arrecadação). Aumentos, só mudando de emprego, mas por outro lado dou muito valor ao facto de trabalhar ao pé de casa, poupando imenso em termos de tempo, gasolina e stress. E assim por diante.

Enfim. Se querem ver como foi possível pagar $90K em 10 meses, e todas as peripécias passadas (e ele faz várias coisas que não resultam, não dão em nada, ou até são contra-producentes, acreditem — está longe de ser um caminho perfeito), e querem ler isso como uma história (ou pelo menos uma colecção de “entradas de diário” — já parece um dos meus livros preferidos de sempre 🙂 ), recomendo vivamente este blog — comecem pelo primeiro post, e vão usando os links de “post seguinte” 2. Eu, pelo menos, estou a gostar (cada dia tenho lido mais uns posts, por ordem cronológica, normalmente à noite). 🙂

  1. achava que estava a fazer muito, mas comparado com esse gajo isto não é nada… bah, desisto!
  2. hmm, agora estou a ver que este blog não tem esses links; tenho de ver se martelo o theme para eles aparecerem… Esqueçam: eles estão lá, depois dos comentários e do “deixar uma resposta”. Ah, a idade não perdoa…

Um comentário em “Blog #2: No More Harvard Debt”

Deixar uma resposta