Evolução mensal das dívidas #18 (30 de Setembro de 2019)

(valores ligeiramente arredondados, como sempre.)

  • Cartões de crédito: 0€ (igual ao mês anterior)
  • Créditos: 25990€ (menos 1160€ que no mês anterior)

Total em dívida: 25990.

Evolução desde o fim de Agosto: menos 1160€.

Um crédito a menos (quase — já lá vamos)! Agora só resta um, portanto a partir de agora só tenho uma única dívida. É um princípio. 🙂

(O “quase” deve-se ao facto de que quando liguei para a entidade de crédito para fazer o pagamento do restante, o pagamento de Setembro já estava a ser processado, por isso o valor que me disseram para pagar não incluía esse pagamento. O mapa é do último dia do mês — neste caso, 30 de Setembro — e o débito é feito no dia 1 de cada mês — 1 de Outubro, aqui –, pelo que no mapa ainda aparecem 70€ em dívida, que supostamente desapareceram logo no dia seguinte — mas isso só aparecerá no próximo mapa, disponível daqui a cerca de um mês. De qualquer forma, esses 70€ já são demasiado pequenos para aparecer no gráfico, apesar de ainda estarem na célula da folha de cálculo.)

Usei uma boa parte dos investimentos que tinha para poder pagar todo o crédito restante sem sacrificar outras coisas, pelo que a série “Acumulação vs. Investimento” está para já parada. A ver se um dia volta, quando já não houver dívidas, e — espera-se — num formato mais interessante.

De resto, tenho continuado a poupar/acumular dinheiro para eventualmente amortizar o crédito “grande”, e essa poupança já vai em cerca de 600€. Devo aguardar até ter uns 2500-3000€ para a primeira amortização, o que ainda demorará alguns meses… com sorte, não muitos.

Gráfico:

Evolução das dívidas - Setembro de 2019

7 comentários em “Evolução mensal das dívidas #18 (30 de Setembro de 2019)”

  1. Parabéns!

    Apesar da escolha de se abdicar de um investimento e perderes o inerente, acredito que tenha sido uma boa decisão. Extinguires mais um credito só te fará olhar para o percurso com, ainda, mais entusiasmo (pelo menos comigo seria assim).

    E o teu gráfico mostra isso mesmo, a coerência que tens tido (apesar do que reforças-te no post anterior), quando estiveres de novo pronto ou com hipóteses de explorar os investimentos vai ser ainda melhor e ainda mais “focado”, porque não terás x+y+z encargos a encher o saco.

    P.S. não passes tanto tempo sem escrever 🙂 eu gosto de por cá passar

    1. Obrigado pelos parabéns, e em particular pela última linha. 🙂 Sim, ir ao investimento foi algo que hesitei fazer (ainda há pouco mais de um mês dizia por aqui que não estava nos meus planos), mas acho que foi o melhor. Afinal, foi para melhorar as finanças em geral, e não para lazer ou algo do género. 🙂

      1. Obrigado! 🙂

        Se não fizer (ou, melhor dizendo, fizesse, já que está assumido que vai acontecer) nada a respeito, este crédito acabaria, por si só, em Agosto de 2026. Claro que espero acabar com ele muito antes disso…

        1. Lanço o desafio de tentar definir uma meta que considere ser possível para terminar o credito.
          E tentar ao máximo cumprir a meta estipulada .

          Boas poupanças.

Deixar uma resposta