Dica de poupança: descobrir (e passar a escolher) o “suficientemente bom”

(Tinha mencionado isto no post sobre poupança no supermercado, e depois num comentário, que a Cristina do “Descontos” sugeriu que passasse a post (possivelmente expandindo um pouco), por isso aqui vai.)

Nesse comentário, tinha citado esta parte do post:

para cada tipo de produto, há sempre um nível “suficientemente bom” (que pode ser o produto branco, ou algo um pouco mais caro). Tentar, sempre (excepto talvez para raras ocasiões especiais), comprar coisas nesse nível, e não acima.

e adicionado o seguinte:

Dois exemplos que posso dar disto:

1- os meus gatos não são nada “esquisitos”: conheço quem tenha gatos (ou outros animais) que só comem determinada marca, ou certo produto/sabor específico de determinada marca; os meus, por outro lado, adoram tudo o que lhes der: Friskies, Whiskas, Purina, as comidas mais caras compradas nos veterinários, etc.. Com uma excepção: as diversas marcas brancas (já experimentei Continente, Jumbo, e várias de mercearias diferentes), eles detestam: comem só o mínimo necessário para não morrer à fome, e começam a pedir comida quando ainda têm o prato cheio. Logo, para os alimentar, “poupar” é comprar Friskies ou Whiskas (as marcas não-brancas mais baratas), que eles adoram, e são, portanto, o nível “suficientemente bom“.

2- gosto de beber vinho à refeição. Vinho em garrafas é mais caro, e portanto em geral fica para ocasiões especiais; no dia-a-dia bebo vinho comprado em pacote. Mas muitos desses vinhos são absolutamente intragáveis, ou causam dor de cabeça, ou ambos. Estarei limitado às garrafas? Claro que não; com alguma “investigação”, achei marcas de vinho em pacote que, sem serem as mais baratas, ainda o são mais do que comprar em garrafa, e bebem-se bem. São, portanto, suficientemente boas.

Foram só dois exemplos, mas isto pode-se aplicar a quase tudo na vida. Quero ir passar um fim de semana prolongado na localidade X? De certeza que entre o hotel de luxo e a pensão cheia de ratazanas há um ou mais sítios para ficar que são suficientemente bons (e bem mais baratos que o tal hotel de luxo). Achá-los pode dar algum trabalho (e implicar uma experiência ou duas menos boas, enquanto se procura), mas vale a pena, parece-me.

Como disse, tento fazer isso para tantas coisas da vida quanto me é possível, e ao longo das décadas aprendi, por exemplo no caso do supermercado, quais são as coisas em que os produtos brancos (em geral os mais baratos) são suficientemente bons (e por isso em geral escolho-os sempre, excepto talvez para alguma ocasião especial), e quais aqueles em que as típicas marcas brancas 1 não satisfazem. Por exemplo, na minha (informal) opinião as seguintes coisas 2 podem perfeitamente ser compradas de marcas brancas:

  • temperos
  • conservas
  • produtos de limpeza (incluindo tanto esfregões como detergentes)
  • leite UHT
  • guardanapos de papel
  • sabonetes líquidos

Mas já não as escolheria, por exemplo, para:

  • vinho (excepto para temperar comida)
  • bebidas alcóolicas em geral
  • azeite (para quem aprecia)
  • qualquer coisa mais “gourmet”
  • molhos picantes
  • papel higiénico (em geral os das marcas brancas ou se desfazem todos, ou parecem lixa)
  • comida para gatos (como indicado acima)

Mas isto são só exemplos, e restritos só a uma área (supermercado). Como disse acima, isto aplica-se a muitas outras coisas, incluindo estadias, restaurantes, até mesmo pessoas/empresas contratadas. Entre o “horrível mas barato” e o “de luxo mas caro”, há sempre um ponto — muitas vezes mais perto, em termos de preço, do “barato” que do “caro” — em que a qualidade é suficiente. Achar esse ponto para cada coisa, obviamente, requer experiência — que não tem necessariamente de vir de nós próprios, podemos em geral também aprender com outros (familiares, amigos, autores de blogs, etc.) — mas vale, parece-me, a pena. Sobretudo pela poupança que se consegue (sobretudo acumulada, ano após ano), mas também pela subida na qualidade das coisas que compramos/alugamos/contratamos, já que passamos a saber evitar o “horrível” nas várias áreas. Os meus gatos, por exemplo, agradecem. 🙂

  1. em geral não faço grande distinção entre as mesmas — Continente, Jumbo/Auchan, etc. –, se bem que provavelmente há diferenças
  2. entre muitas outras; isto não é uma lista exaustiva, obviamente

Deixar uma resposta