Gastos semanais: Semana #12 (21 a 27 de Julho de 2018)

Com uns dias de atraso (devia ter sido postado na sexta-feira, dia 27), mas, ei, estou de férias. 🙂 Aqui vai, então:

Nota: como habitualmente, os valores em geral são arredondados.

Gastos na conta bancária:

  • 170€ – compras de supermercado (para as férias, já cá “em baixo”)
  • 44€ – seguro de saúde

Houve também o pagamento dos cartões de crédito, mas isso não se inclui aqui, como falado anteriormente.

Gastos no cartão de refeição:

  • 28€ – refeição (para 2 pessoas) (não tenho sido eu a pagar a maior parte das vezes, além de que se tem tentado comer mais vezes em casa)

Gastos no cartão de crédito:

  • 23€ – assinatura (2 créditos) do Audible (mensal)
  • 10€ – assinatura do Office (mensal)
  • 11€ – assinatura do Netflix (mensal)
  • 7€ – assinatura do Google Music (mensal)
  • 20€ – jogo no Steam (já fiz anos, a semana passada, por isso já posso voltar a comprar jogos. 🙂 Mas mesmo assim não antevejo muito mais compras, no futuro próximo, tanto aqui como depois das férias; este era um em relação ao qual já tinha curiosidade há uns bons meses, além de ser algo “leve” e que o meu PC actual (já velhinho, mas que também teve direito a vir de férias 🙂 ) aguenta bem)

Resultados:

Gastos totais: 313€
Gastos em entretenimento: 61€ (19.4% do total).

Acho que não foi muito mau. os gastos em supermercado foram significativos, mas a ideia tem sido comer a maior parte das vezes em casa, e também deixá-la (é emprestada, de família) tão ou mais “atestada” do que estava. A maioria do entretenimento foi coisas mensais. E o subsidio de Verão permitiu dar uma boa “pancada” nas dívidas dos cartões — agora é esperar pelo próximo mapa de responsabilidades, que sairá lá para o fim de Agosto.

4 comentários em “Gastos semanais: Semana #12 (21 a 27 de Julho de 2018)”

    1. Essa página é para outras partes do mundo, aparentemente… esta aqui:

      https://products.office.com/pt-pt/buy/office

      tem preços diferentes. E, sim, imagino que desse para “fingir” — nem que isso obrigasse a usar VPNs e afins, para fingir que estou noutra parte do mundo –, mas, já sabes, eu sou estranho com essas coisas. 🙂

      O que *devo* fazer, quando voltar das férias, é mudar para a subscrição anual, que fica a 100€/ano (poupando assim 20€/ano).

    1. Pois… não sei. Essa edição é de 2013, mas por outro lado continua a ter críticas positivas em 2016, por isso não me parece que deixe de funcionar. Por outro lado, isso possivelmente seria só o primeiro ano.

      Enfim, nestas coisas prefiro mesmo não complicar/arriscar. Afinal, se quisesse poupar acima de tudo, podia sempre usar o LibreOffice (que usei exclusivamente durante uns bons anos, tanto em Windows como em Linux). 🙂

Deixar uma resposta